Buscar

8 coisas sobre o surf feminino que você não sabia




AS MULHERES SEMPRE SURFARAM Apesar do surf ser conhecido como um esporte de homens, as mulheres sempre estiveram em cena desde o principio. O pai do surf moderno Duke Kahanamoku ensinou a primeira mulher a surfar em 1915 e ela se chamava Isabel Letham, esse acontecimento foi na Austrália. Em 1936 o surf chegou no Brasil, trazido pelo irmão da Margot Rittscher (foto) que é conhecida como a primeira mulher a surfar no Brasil no mesmo ano em que o surf chegou.

32 ANOS PARA O SURF FEMININO SER RECONHECIDO A primeira Associação de surf no Brasil foi criada em 1965 e só em 1997 houve a inclusão da categoria feminina nos campeonatos de surf. Foram 32 anos sem nenhum reconhecimento e nenhum estimulo para mulheres se tornarem atletas. E até hoje lutamos pelas premiações igualitárias e mais incentivo a categoria feminina.



SOMOS VICE CAMPEÃ MUNDIAL DE SURF DUAS VEZES Silvana Lima nos seus primeiros 6 anos no campeonato mundial, ficou entre as cinco primeiras posições, incluindo dois vice-campeonatos, em 2008 e 2009. Só em 2014 Gabriel Medina veio ser campeão mundial e ninguém NUNCA falou sobre essas vitórias dela e nem mesmo sobre a luta para conseguir tudo isso. Ela enfrentou diversas dificuldades financeiras, pois não contava com patrocinadores. Para ter dinheiro para viajar às competições, a surfista vendeu seu apartamento, seu carro e precisou até vender os filhotes de seu bulldog. Durante a carreira, Lima sofreu diversas vezes com a falta de patrocínio e dinheiro. Você acha que se ela tivesse tido apoios financeiros e psicológicos teria sido VICE campeã? E ainda assim não teve o reconhecimento merecido.





TEMOS UMA TETRA CAMPEÃ MUNDIAL DE BODYBOARD

A cearense Isabela Sousa entrou para a história do bodyboardela e se sagrou tetracampeão mundial da categoria em 2010, 2012, 2013 e 2016. E é a 1ª bodyboarder a surfar nas ondas gigantes de Nazaré.



NENHUMA ATLETA NEGRA DISPUTA O MUNDIAL DE SURF

É isso mesmo, nenhuma. O Brasil tem 54% de pessoas negras e pardas, a maioria são mulheres e quase nenhuma com visibilidade no surf. Mesmo no exterior, não existe nenhuma negra. A surfista Erica Prado criou um movimento que se chama Surfistas Negras para dar visibilidade e conseguir mais apoio e patrocínios para surfistas profissionais negras e mudar essa realidade cruel e racista.



MINA DO SURF JÁ COLOCOU MAIS DE 900 MULHERES PRA SURFAR O projeto social e esportivo Mina do Surf é pioneiro em aulões de surf de mulheres para mulheres aqui no Brasil e já colocou mais de 900 mulheres no mar, com isso faz com que o cenário Pernambucano de surf aumente agressivamente mais do que em todos os outros estados e promete grandes atletas no futuro próximo. Além de mudar a vida de várias mulheres adultas com a base esportiva de natação á performance.



MULHER GRÁVIDA PODE SURFAR


A surfista e coach de surf Thati Gleise pegou um tubo com 7 meses de gestação, quebrou vários tabus surfando até o último dia antes de parir, mostrou que mulher pode tudo e disse que foi o período em que mais aprendeu a observar o mar e as ondas, e mais evoluiu suas manobras. Ela explica que pra surfar é necessário conhecer e entender o mar, ter auto confiança e saber que tudo pode acontecer apesar disso.




O PODER DAS MULHERES NO MARKETING 85% das mulheres fazem ou influenciam as decisões de compras, 91% compram produtos que dizem ser masculinos e 50% afirmam que os anunciantes não as compreendem. FONTE: Booz & Company


As mulheres surfistas repetem: "Somos mais vistas e menos apoiadas." Elas estão dominando o cenário do surf e mesmo assim são pouco apoiadas e acabam largando a carreira de atleta para assumir outros cargos ainda assim voltados para o surf. Cadê os patrocinadores?






159 visualizações3 comentários